terça-feira, 17 de março de 2009

E QUANDO A NOITE CHEGA...


E o vento lá fora nos recorda que ainda é Inverno, vagueio pela casa silenciosa em busca de distracção.

É nesta hora escura que a mente me desobedece e ganha vida própria. É nesta hora morta que me pergunto se devo calar as dúvidas e seguir o rumo da minha vida sem questionar. E, no preciso momento em que o meu Eu racional me diz que sim, aperta-se-me a garganta e tenho a certeza que estou errada.

Contudo, estou prisioneira na masmorra que eu própria construí, encarcerada no silêncio das palavras que eu mesma proferi. Qual actriz sem ponto, esqueci o texto e olho a plateia que espera ansiosamente a próxima deixa incapaz de emitir qualquer som.

Depois das noites repletas de sonhos e dúvidas, coloco o fato e a máscara de mundo, fecho a gaveta de mim e enfrento a vida como se a minha respiração não tivesse ficado suspensa num momento já há muito passado.

7 comentários:

Artur disse...

Por mim, acho até que tens andado a dormir bem.

calamity jane disse...

Hoje sou eu que digo: I hear you sister!..

Mente Quase Perigosa disse...

Ai que o miúdo agora vai-me dizer que ando a dormir demais!!!!!

Se durmo é porque durmo, se não durmo é porque não durmo... Gaijos, pá!

CJ: sintonias, querida, sintonias...

Ana Sousa disse...

Chuac..

Mae Frenética disse...

pois...

Abelha disse...

Que tal mandar tudo à fava e seguir o rumo que mais te apetecer.
És crescidinha por isso...passado é passado e o presente é aquele que nós quisermos.
E eu gosto de ti.

Karlytus disse...

wow.. q texto.. q desabafo.. gostei.. pq (talvez infelizmente..) o percebo mto bem..

Um beijinho bem silencioso mas mtoooooo azul! :)