quarta-feira, 18 de agosto de 2010

PRAIAR

Eu frequento uma das praias mais badaladas do país. Não me estou a armar ao pingarelho. As coisas são como são e aquela é a que me dá mais jeito e fica mais à mão. Agora, meus amores, aquilo bate recordes de concentração de gente pirosa. Que vos digo eu que sei o que digo e nunca vos minto. O número de homens 'mesmo muita bons', de sunga, a atirar piropos 'mesmo, mesmo, mesmo elaborados' a tudo quanto era mulher que exibisse um fisico com os minimos olimpicos hoje bateu todos os níveis. A partir de amanhã, volto ao horário da manhã que assim como assim prefiro as criancinhas ramelentas a isto.

(O ex-libris foi mesmo um par de jarras dos seus quarenta anos, dentro de água, perto de mim, a tecer considerações sobre a minha prima que estava à beira-mar. As coisas que eles lhe fariam ainda não estão descritas nos anais da história e tenho para mim que algumas são fisicamente impossíveis. Estive quase para intervir para lhes dizer isso mesmo mas acho que eles não iriam entender linguagem normal. E, não, eles não estavam colados a mim. Eles falavam mesmo alto e bom som para quem os quisesse ouvir.)

2 comentários:

Capitão Microondas disse...

tomates? ancão? Há outras de facto. Sungas no ancão era raro, hoje em dia nao sei.

Mente Quase Perigosa disse...

Até já no Ancão há de tudo, Capitão. De T-U-D-O!