terça-feira, 28 de setembro de 2010

BOLO DE CHOCOLATE


Apetecia-lhe um bolo de chocolate. Era tarde. Os escritórios estavam vazios. Ela sabia que apenas um gabinete ainda tinha luz. O dele. Também ele fazia serão esta noite. E a ela apetecia-lhe um bolo de chocolate. Olhou para os sapatos altissimos que tirara quando toda a gente saiu. Voltou a calçá-los. Ía desafiá-lo para um bolo de chocolate no café da esquina. Sentiu o estomago a apertar. Ela sabia há muito tempo que o queria, mas ele punha sempre o ar altivo na sua presença e mantinha a distância dela. Não hoje, decidiu ela. Hoje, ela ía convidá-lo para comer um bolo de chocolate.

Quando apareceu no umbral da porta do escritório dele, pensou em voltar atrás mas ele viu-a antes que ela tivesse tempo de se arrepender. Encostou-se à parede ao lado da porta e disse-lhe ao que vinha e viu a boca dele arquear num meio sorriso. Ele levantou-se e aproximou-se dela e, colocando as mãos na parede onde ela se apoiava, baixou-se e beijou-a. Ao de leve. Tão ao de leve que ela ficou até com dúvidas se tal beijo tinha mesmo acontecido uma vez terminado. Ela começou a senti-lo a afastar-se. Ela não queria que ele se afastasse. Num impulso, puxou-o pela gravata e colou a boca dela à dele, passando os braços em volta do pescoço dele. A reacção dele foi imediata e, agarrando-a pela cintura, levantou-a, forçando-a a enlaçar as pernas na cintura dele para depois a deitar em cima da secretária onde, até instantes antes, estava a trabalhar. Quando deslizou a mão pela coxa dela, ouviu-a gemer o seu nome enquanto a sua mão encontrava a seda húmida da lingerie dela. De olhos fechados, enquanto sentia o calor dela, sentiu a gravata ser-lhe tirada, a camisa a ser aberta e a sua pele a entrar em contacto com a pele dela. Sentiu o corpo dela a arquear por baixo do dele. O cheiro que ele sabia que o perseguiria por muito tempo, inebriando-o, a entranhar-se no seu ser. Sentiu as mãos dela no seu cinto, no seu fecho e, depois, no seu ser. Arrancando de vez o pedaço de tecido que o separava daquilo que ele mais queria na vida naquele momento, ele fundiu-se no corpo dela.

Na sua mente, quando sentiu o corpo dela subir de encontro ao seu, passou vagamente a ideia de que aquele era o melhor bolo de chocolate que tinha comido em toda a sua vida…

Disclaimer: Todo o sexo feito durante este post foi feito de forma segura. O preservativo é o vosso melhor amigo. Nunca o deixem em casa.

2 comentários:

Tita disse...

Fantástico!!! Até eu fiquei arrepiada! ui ui ui

Mente Quase Perigosa disse...

:)