terça-feira, 28 de julho de 2009

ORALIDADES


Eu, por acaso, acho que no sexo não há limites nem tabus. Acho que entre 4 paredes vale tudo (quem diz 4 paredes também diz a céu aberto, mas isso são outras núpcias). Não entendo aquelas pessoas que se enojam, que falam em actos contra-natura, etc, etc, etc.

Claro que não há limites desde que seja consentido e dê prazer as todas as partes envolvidas. Por exemplo, a mim não me convidem para aquela cena da dor e tal e os vergões e os chicotes que não estou nessa. Mas se há quem goste, quem sou eu para dizer que é errado?

Mas quer-me cá parecer que os meus professores de Teoria Geral do Direito Civil não ouviram a parte do “dar prazer a todas as partes envolvidas” e acharam mesmo que o melhor que tinham a fazer era ‘convidar-me’ para um ménage a trois, na próxima sexta, que se baseia em orais. Acaso ter-lhes-á passado pela cabeça que eu até nem me apetece? Que os senhores não me cativam? Que, definitivamente, vou estar com uma enxaqueca?

Sabem que vos digo? Tou flixada e mal paga. Essa é que é essa…

3 comentários:

AnaT disse...

ahahahhaha (deliciosa esta tua descrição... a parte da oral é que nem por isso, mas se calhar tb não avisaste os srs que não querias mesmo nada)

Shana disse...

Vai lá com língua, com a língua, com a língua, vai lá! Ehehehh... este grande hino das línguas ainda é útil. Tu dominas isso, mulher. Fichinha, isso é fichinha, ao pé de desafios maiores que já se te puseram :P
Além disso, coitadinhos dos senhores, também têm direito a lavar as vistas ;)

Mente Quase Perigosa disse...

Coitados do senhores?

Msa tu és amiga de quem????