domingo, 17 de maio de 2009

UM HOMEM FAZ FALTA EM CASA?

P5160032 Há uns dias, uma amiga dizia-me (a propósito da montagem de um caixote do lixo) que um homem faz muita falta para essas coisas.

Eu confesso que não me faz. Sempre fiz tudo sozinha (talvez devido ao facto de nenhum dos homens com quem me relacionei ter o mínimo jeito para trabalhos manuais) e quando havia algo mais complicado, bastava um telefonema e o pai aparecia para socorrer a sua menina pelas suas próprias mãos (porque esse sim, era o maior engenhocas à face da terra) ou com o número milagroso de alguém que o faria por ele, sob a sua atenta supervisão, óbvio. Ele próprio costumava gozar comigo pela minha escolha de homens. Dizia que parecia que eu fazia de propósito, que os escolhia por terem menos jeito que eu para reparar fosse o que fosse.

Noto que a vida se torna mais complicada sem ele nas pequenas coisas do dia-a-dia.

A botija do gás deve estar a acabar mais dia menos dia e eu nem sonho onde possa estar o número milagroso que faz com que venha um senhor cá a casa trocar a vazia por uma cheia. Vá lá, que já descobri o número do homem da água, pelo que o pior que pode acontecer é tomar banho de água fria ad eternum. E porquê? Porque quando ele cá estava, as botijas apareciam sozinhas. Ou pelo menos, assim parecia…

Outro exemplo. Decidi ontem que hoje havíamos de comer peixe grelhado hoje. O tempo está lindo e bom tempo é sinónimo de grelha a funcionar e peixe ou carne lá em cima com uma bela de uma salada à espera na mesa.

Quando cá estava o homem da casa ao lado, eu dizia ‘vamos comer peixe grelhado no Domingo?’ e a coisa acontecia! Por volta desta hora começava a sentir as movimentações na minha porta das traseiras e sabia que precisava de atirar umas batatas com casca para a panela e fazer uma salada. Vá… Talvez pusesse a mesa antes de ir beber uma mini com ele lá fora… E à uma da tarde, milagrosamente, o peixe ou a carne apareceria na mesa. Sem espinhas (metaforicamente, claro, que se eu lhe dissesse para tirar as espinhas ao meu peixe, de certezinha que ele me mandava a qualquer sitio para onde não deve ser muito pedagógico mandar uma filha)!

Toda a logistica era tratada por ele: ía à praça, comprava o peixe, tratava de o salgar, de acender o grelhador, de grelhar os bicharocos e voilá!

Ora, quando decidi que hoje era dia de peixe grelhado, fui à procura de onde o grelhar. Encontrei o seu self-made barbecue. Infelizmente, quando construiu a cena, não escreveu o manual de instruções e, depois de uma observação atenta (cerca de 5 segundos antes de desatar a correr para bem longe), cheguei à conclusão que devia ser mais provável os porcos voarem (com ou sem gripe) do que eu conseguir pôr a coisa a funcionar sem pegar fogo a tudo num raio de 5 kms.

Portanto, para poder comer o maldito bendito peixe grelhado que no passado bastava pedir ou sugerir, tive que ontem ir comprar um grelhador (ou será fogareiro?). Ora, gaija que é gaija não se contenta com aqueles pequenitos tipo assador de castanhas assadas, claro que não. Principalmente, se, mesmo ao lado e por poucos mais euros, estiver um daqueles com prateleiras, pegas, paneleirices a rodos e promessa de ficar bem no quintal de qualquer pessoinha. Obviamente, escolhi um desses. Depois dirigi-me à peixaria onde, depois de esperar 20 minutos com a senha do peixe arranjado na mão, decidi que estava farta de ali estar e que para arranjar peixe não devia ser preciso nenhum curso superior. Trouxe a bela da peixada as it was. Cheguei a casa e pus-me a arranjar a coisa. Vou abdicar dos pormenores aqui, ok? Ficamos só com a certeza que vale a pena esperar, certo? Depois de escamado e limpo, decidi (quem me desse com uma panela de pressão na cabeça…) que as douradas do almoço de hoje, deviam ser escaladas. Demorou tanto tempo quanto uma cirurgia cardio-toráxica de separação de siameses, mas estão escaladas.

Hoje às 9, lá estava eu defronte da bela da caixinha do grelhador/barbecue/fogareiro. Peças todas em cima da mesa, chave Philips numa mão (agora impressionei-vos, não?) e folhinha das instruções na outra. Assistente técnico a mandar palpites (esse sim, tenho cá para mim que vai ser engenhocas).

2 Horas depois, o carvão estava a ser despejado no recipiente próprio e eu estava capaz de entrar na banheira e ficar lá umas boas horas.

Vim para dentro, atirei as batatas para a panela e preparei a salada (no tempo do outro senhor, I would rest my case). Estou a olhar agora para a minha obra de arte pela janela e dentro de momentos, irei estrear-me nessa bela arte de grelhar peixe em casa…

Se um homem faz muita falta em casa? A mim não, mas o homem da casa ao lado faz-me uma falta do caraças!!!!!

18 comentários:

bruce disse...

Tu comes peixe???

Tânia disse...

O homem da casa ao lado estaria todo orgulhoso. ;)

Mente Quase Perigosa disse...

Bruce... Isto não é o que parece...

(nestes casos, esta parece-me sempre a melhor frase...)

Mente Quase Perigosa disse...

Obrigada, Tânia...

Mãe da malta disse...

:)

Um beijinho, e aposto que iria pôr um monte de defeitos no que fizeste (que não é assim! que é assado!...), mas como diz a Tânia, por dentro estaria muito orgulhoso.

gaija do norte disse...

eu ainda acho, peixa, que o melhor são aqueles grelhadores que se colocam em cima do bico de gás do fogão da cozinha! se fosse eu, tinha tomado a banhoca de que falas e estava lá até agora...

Ana Sousa disse...

:)

(tu pá...)

calamity jane disse...

Eu cá, com a minha alma de cusca, interrogo-me sobre quem seria a tal amiga que dizia isso...
(e agora vou ler a posta)

calamity jane disse...

E agora quem rest my case sou eu...
(continuo a dizer, para trabalho intelectual estou cá eu...)

Mente Quase Perigosa disse...

Mãe da Malta, resmas e resmas e resmas de defeitos e íamos discutir e chamar teimoso um ao outro...

Mente Quase Perigosa disse...

Gaija, sou teimosa, que queres que faça?

(E sinceramente gosto mais da coisa ao ar livre. Queres vir experimentar? É tão mariquinhas o meu grelhador, não é? Bem diz uma amiga minha "só lhe falta ser cor-de-rosa!")

Mente Quase Perigosa disse...

Eu quê, Sousóca? Sou incorrígivel?

Eu sei...

;o)

Mente Quase Perigosa disse...

CJ, quem seria a alminha, não é?

Pois bem falta me fez uma intelectualóide para me ler as instruções enquanto eu tinha as mãos na massa...

Artur disse...

Faz-te mesmo muita falta, esse Homem. Que lindo texto, rapariga, que lindo texto...

sem-se-ver disse...

estou como a gaija, grelhador em cima do bico do fogão e tal.

(mas isto sou eu a dizer, que nem espaço tenho - quase -, a bem dizer, para colocar grelhador na varanda!!!!)

porque, sim, dá um prazer do caraças um belo de um barbecue à maneira.

espero que o teu seja cor-de-rosa. fica-te bem de certeza :)


(belo post, mqp. belo post. beijo)

disse...

Tal como já te disseram, que orgulhoso ele ia ficar!

[também sou assim, não preciso de gajo nenhum para montar, aparafusar, o que quer que seja... à excepção do meu Pai, que faz isso tudo sem que eu peça]

Beijo grande em ti

Rita Quintela disse...

saudades com humor. Gostei muito.

quidam disse...

Boa, não é preciso gajos para nada(bem quase nada) quando uma mulher quer consegue, é preciso é lançar mão à obra.
Gostei do texto...

www.asteoriasdequidam.blogspot.com