segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

COMO É ÓBVIO, ESTÁ A ACONTECER COM UMA AMIGA MINHA*

“No one can stand in the middle of fire and not be consumed...”

(Possession)

Imaginem a seguinte situação:

Estão prestes a fazer a maior tolice da vossa vida adulta. Têm consciência que é um perfeito disparate. Mas é um disparate completamente irresistível.

Se eu tivesse 10 euros por cada vez que cito o Visconde de Valmont no seu célebre: it’s beyond my control”…

É como aquele fondant de chocolate. Nós sabemos que não podemos dar uma só dentada. Sabemos que assim que sentirmos o chocolate derretido no interior, nos vamos perder. Mas vezes sem conta, damos por nós a morder a delícia e a maldizer a nossa fraca vontade. Damos por nós a jurar que não caminharemos esse caminho da perdição novamente, tão somente para na esquina mais próxima aproximarmos os lábios do próximo bolo de chocolate.

É como aquele último copo (é sempre o último que faz mal, não é?) que nos faz jurar nunca mais beber. Até ao dia seguinte…

Agora, se nos dessem tempo para pensar. Se tivéssemos oportunidade de ponderar as consequências? Comeríamos ou não? Bebíamos ou não?

Acaso se pode desculpar um disparate cuidadosamente calculado? E a queda no abismo? A quem se deve imputar a responsabilidade, nesse caso?

11 comentários:

Ana Sousa disse...

Talvez o problema seja mesmo esse. Pensares demais... ou melhor, demorares tempo demais a fazer as coisas...

Digo eu.

(sem luzes a piscar!)

:p

Ana Sousa disse...

Ai desculpa, a tua amiga é q pensa demais!! Diz-lhe isso sim?

T. disse...

Se perdemos assim tanto tempo a ponderar consequencias eh porque inicialmente ja existe a vontade de comer/beber, estamos eh a arranjar "desculpas" para o poder fazer de consciencia mais leve...
A queda no abismo eh do abismo pois estah claro!!!
Ao olharmos para baixo sentimo-nos irremediavelmente atraidas pelo precipicio, pelo que nos espera la no fundo... e ca vai disto!!!
Diz ah amiga para nao ponderar tanto!
Beijos

Luz de Estrelas disse...

Corre quase sempre mal, mas é quase impossível fugir-lhe. E agora?

Artur disse...

Sempre vivi assim e sempre me dei bem

Little Miss Sunshine disse...

Ai... eu faço sempre a asneira, seja qual for. Depois é que começo a choramingar a pedir ao tempo para voltar para trás!

Mente Quase Perigosa disse...

Sousa, eu transmito o recado.

(olha quem fala... Era o título de um filme, não era?)

Mente Quase Perigosa disse...

T., o sacana do abismo é mesmo fixe, n'é?

Mente Quase Perigosa disse...

Lus, agora? Retem-se a respiração e salta-se. And may the force be with us!

Mente Quase Perigosa disse...

Artur, costumo seguir os teus conselhos e até me dou bem. Vou dizer isso à minha amiga...

Mente Quase Perigosa disse...

Miss Sunshine, espero que se consiga saltar a parte da choraminguice!

:p