sexta-feira, 25 de setembro de 2009

NOITES

Reviro, corro e aliso a cama onde nós não dormimos. Noite após noite, procuro o teu corpo com o meu, mas acordo com o frio do vazio dentro de mim. Nos meus sonhos, fundimo-nos e gememos mas quando abro os olhos, pergunto-me onde estarás. Nas noites da minha vida, vive um fantasma que eu amo. Quando a manhã chega, exorcizo-o. Um dia… Um dia, vou aprender o feitiço para o materializar.

11 comentários:

Lize disse...

Se o materializasses, deixava de ser um sonho e passaria a realidade. Será que é isso que queres? :)

Essência disse...

Que texto bonito.. :)

shark disse...

Que linda forma de contar um sonho húmido.
:)

calamity jane disse...

Quando descobrires, ensina à malta, sim?

Mente Quase Perigosa disse...

Lize, e porque não? Sou pró risco!

:o)

Mente Quase Perigosa disse...

Obrigada, Essência.

Mente Quase Perigosa disse...

Bruce, Bruce, Bruce... Foi assim tão óbvio?

:p

Mente Quase Perigosa disse...

CJ, depois mando a receita!

E a factura!

;o)

shark disse...

Não, nada disso. Eu é que tenho uma mente quase libidinosa...

Mente Quase Perigosa disse...

Ainda bem que é Quase! Sabes lá o descanso que o mundo tem nos Quases!!!!

MC disse...

Beeemmmm... esses sonhos por aí andam catalogados com bolinha vermelha...!
Pronto, pronto, substituo o libidinosa por lasciva, ok?