quarta-feira, 2 de setembro de 2009

AGORA, SIM: VOLTEI!

O cheiro é talvez o sentido mais apurado que eu tenho. Por vezes, sinto-me quase canina na forma como consigo distinguir os aromas. Como tal, se há coisa com a qual sou esquisitíssima - embora adore - são perfumes. Sou mesmo alérgica a determinadas fragrâncias o que já me causou muito desgosto na vida por não poder usar perfumes que adoro.

Outra coisa que adoro é o sentimento de regresso de férias. Faz-me sempre recordar quando as aulas começavam e estávamos naquela altura do ano em que escolhíamos os cadernos e as mochilas e a roupa para o novo ano escolar.

E cá estava eu, hoje, com essa sensação de recomeço e sem nada para comprar quando me tentaram… Tentaram a minha sensação de novo com perfumes novos. E eu gosto que me tentem e se há algo a que eu não resisto são tentações.

Só assim se explica – assim e com a conversa do jantar de sábado que me deixou com vontade disto mesmo – que eu tenha comprado, não um mas, dois perfumes.
A tentação do novo misturada com a nostalgia das recordações…
Lembro-me de quando usava o One. Lembro-me, ainda sinto no nariz, o cheiro do perfume misturado com o cheiro de cabedal. Lembro-me de como se impregnava no meu cabelo, muito comprido na altura. Lembro-me do frasco de 100 ml a espatifar-se na tua casa-de-banho, Shana. O One lembra-me esse tempo, há 16/17 anos (porra!) em que não havia preocupações de monta maior além de onde ir na sexta-feira à noite e quem é que iria também. Lembra-me a tuna e o bar do Perry (agora aquilo é chique, n’é?). Lembra-me Cuba e piñas coladas. Lembra-me primeiros amores e ‘mudanças de móveis’ na casa da Rua Castilho.

O Scarlett é novo. Saiu agora.

Apaixonei-me primeiro pelo nome. Faz-me lembrar a Vivien Leigh a fazer vestidos a partir de cortinados naquilo que podemos considerar o verdadeiro recomeço. Faz-me lembrar a mesma Vivien a atirar-se aos pés do Clark Gable, em soluços, suplicando: “Rhett, Rhett... Rhett, if you go, where shall I go? What shall I do?” Enquanto, ele a despreza com uma das melhores falas de cinema de todo o sempre e que qualquer humano espera ter a hipótese de usar um dia: “Frankly, my dear, I don't give a damn.” E faz-me lembrar que apesar disso, ela não só sobreviveu como se ergueu e seguiu a sua vida.

Apaixonei-me depois pela embalagem. A imitação da delicada renda ou da frágil madrepérola que apesar de tudo resiste ao passar do tempo e das gerações. Que mais podemos nós querer para os recomeços senão algo que seja bonito, delicado e que dure? Ou que, pelo menos, seja infinito enquanto dure…

E assim, sem cadernos novos, mas com a nostalgia e a expectativa em forma de essência, abro as hostilidades para o novo ano que se adivinha (tenho sempre mais a sensação de ano novo em Setembro do que em Janeiro…) e confesso que estou desejosa de que os jogos comecem.

7 comentários:

Carrie disse...

You are very dangerous my dear!

agora deixaste-me melancolica!E sem vontade de empregar terminologia finaceira na reunião que teria daqui a uns minutos...só consigo pensar num conceito que sempre me encantou desde a primeira das 100 vezes que vio o filme, You've got mail...

"would send you a bouquet of newly sharpened pencils if I knew your name and address"...

Carrie disse...

Já agora, conheces o novo da Vera Wang...só o encontrei uma vez e não o comprei e agora penso nele a toda a hora, mas tenho alguma duvida se me terá ficado gravado pelo cheiro em si ou pela viagem que mo deu a conhecer...

Mário Rodrigues disse...

Cheiros…

…Da madrugada…
…Chuva na terra quente…
…Rosmaninho…
…Cheiros!

Mente Quase Perigosa disse...

"On the other hand, this not knowing has its charms."

Tantas frases desse filme que me fazem sorrir... Com ternura...

Mente Quase Perigosa disse...

Não conheço o da Vera Wang. Mas acho que a Sephora tem perfumes dela, Carrie.

Mente Quase Perigosa disse...

Mário, tantos, tantos, tanto...

Carrie disse...

MQP...tu não páras de me surpreender miuda!

Penseiq ue só eu tinha visto esse filme mais do que uma vez e memorizado deixas....

Obg pela dica da Vera Wang